.
.

//// quem somos

http://www.quatroloscinco.com/p/quem-somos.html

O Quatroloscinco - Teatro do Comum é um grupo de teatro belo horizontino que mantém trabalho continuado de pesquisa e prática artística pautado na criação coletiva e na dramaturgia autoral contemporânea. Buscamos uma cena focada na atuação como presença e nas formas de relação com o espectador.

_____________________________________________
TRAJETÓRIA

O Quatroloscinco estreou em novembro de 2007, no Projeto Laboratório: Textualidades Cênicas Contemporâneas, promovido pela Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, com a performance Descaminho (2007), realizada no Teatro Francisco Nunes e no Parque Municipal.

Em junho de 2008, o grupo venceu o 9º Festival de Cenas Curtas do Galpão Cine Horto com a cena curta É só uma formalidade (2008), livremente inspirada em 'Sólo los giles mueren de amor', de Cesar Brie. Por sua repercussão, a cena se apresentou em Belo Horizonte; Ipatinga (MG); Festival de Diamantina (MG); Festival de Esquetes de Cabo Frio (RJ), onde foi premiada nas categorias Melhor cena e Melhor texto; V Congresso Brasileiro de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (MG); e Mostra Contemporânea de Arte Mineira, no SESC Pompeia (SP). Desta cena surge o espetáculo É só uma formalidade (2009), que aprofunda a pesquisa do grupo sobre teatro latino-americano e criação coletiva. O espetáculo repercutiu nacionalmente e foi considerado pela crítica como "uma das mais entusiasmantes produções teatrais do ano" (Jornal Hoje em Dia).

De outubro a novembro/2009, o grupo participou do projeto de intercâmbio com a Cia Clara (MG) e o Grupo Piollin (PB). A parceria com a Cia. Clara também resultou na co-criação do espetáculo Nada Aconteceu (2010), com direção de Anderson Aníbal. Em 2010, o Quatroloscinco se firmou efetivamente na cena teatral mineira e alcançou outros estados. Participou de 9 festivais de cunho nacional e internacional (entre eles o 10º FIT-BH e o 3º FIAC-Bahia). 'É só uma formalidade' foi apontada como destaque do Fringe/Festival de Curitiba, pela Folha de S. Paulo. Também foi indicada a 5 prêmios Usiminas/Sinparc, incluindo Melhor Espetáculo e Melhor Texto, vencendo a categoria Melhor Atriz Coadjuvante.

Em 2011, 'É só uma formalidade' participou de festivais e mostras em 8 estados do país. No mesmo ano estreou o espetáculo Outro Lado (2011), que obteve repercussão nacional e figurou entre os melhores espetáculos da Revista Bravo!; venceu o Prêmio Mixsórdia 2011 na categoria Artes Cênicas; e concorreu a 4 prêmios Usiminas/Sinparc, incluindo Melhor Texto e Melhor Espetáculo.

Em 2012, o Quatroloscinco comemorou 5 anos de trabalho, circulando pelo país com o Prêmio Funarte Myriam Muniz. Também realizou a Viagem Teatral SESI-SP por 18 cidades, e representou o Sudeste no Mambembão 2012 - Mostra Funarte do Teatro Nacional. Neste ano, 'Outro Lado' participou de 7 festivais nacionais, e abriu a primeira edição do Trema – Festival de Teatro de Grupo do Recife.

Em 2013, participou de diversos festivais pelo país com suas peças e publicou o livro com os textos de “Outro Lado” e “É só uma formalidade”, pelo Selo Questão de Crítica. Também realizou circulação estadual pelo Prêmio Cena Minas e participou da I Bienal Internacional de Teatro da USP. O grupo estreou Get Out! (2013) que também foi publicado em livro, e participou do Festival Internacional de Teatro Unipersonal do Uruguai. A peça concorreu ao Prêmio Copasa/Sinparc nas categorias Melhor Texto e Melhor Ator.

Em 2014, o grupo estreou Humor (2014), com temporadas em BH e Rio. Pelo Prêmio Funarte Myriam Muniz, foi realizada circulação de espetáculos e oficinas por 4 estados do país. Circulou por festivais como Porto Alegre em Cena, Floripa Teatro, FIT-BH, FIT Dourados e Festival Nacional de Vitória. "Humor" venceu os prêmios de Melhor Cenário e Melhor Iluminação no II Prêmio Copasa/Sinparc, e seu texto foi publicado em livro, pela Editora Javali. Em novembro, realizou mostra de repertório e oficinas no SESC Belenzinho, SP.

Em 2015, o Quatroloscinco esteve em festivais como Feverestival, Fentepp, Festivale, Festival Nacional de Juiz de Fora, Mostra de Teatro de Grupo da Paraíba e Virada Cultural de BH. Também se apresentou nas Nevadas Internacionales de Teatro de Bariloche/ARG. Em outubro, estreou Ignorância (2015) na Funarte MG e no Teatro João Ceschiatti - Palácio das Artes. E em novembro realizou mostra de seu repertório em João Pessoa/PB.

Em 2016, o grupo participou do Festival do Monólogo Latinoamericano de Cienfuegos (Cuba), publicou o livro de "Ignorância" e realizou uma série de oficinas de dramaturgia. "Ignorância" ocupou a Funarte SP pelo edital Cena Aberta e circulou por outros festivais e mostras do país. Em setembro estreou Fauna (2016), o sexto espetáculo de repertório, e em dezembro participou do Festival de Artes Escénicas de La Plata/ARG. O grupo também dirigiu o espetáculo de formatura do Cefart/Palácio das Artes, Litoral (2016), texto de Wajdi Mouawad, tradução inédita montada pela primeira vez no Brasil.

Em 2017, o grupo comemorou 10 anos de trabalho realizando uma mostra inédita de seu repertório em Belo Horizonte, além de oficinas, núcleos de criação e encontros com artistas convidados. "Ignorância" foi indicado a 6 prêmios Copasa/Sinparc, vencendo na categoria Melhor Atriz e a circulação dos espetáculos se manteve por festivais do país.

Em 2018, "Fauna" representa Minas Gerais no Sesc Palco Giratório, maior projeto de circulação de artes cênicas do Brasil, com apresentações em 35 cidades do país.

Em sua trajetória, o grupo já esteve em mais de 60 cidades de 15 estados brasileiros, além de Uruguai, Argentina e Cuba. Toda a dramaturgia do grupo está publicada em livro.